segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Mau Exemplo: Câmara Municipal de Paço do Lumiar em suas peculiaridades


O que tem chamado a atenção do titular deste blog, são os atos do legislativo Luminense nas últimas sessões em que os edis têm protagonizado e tomado decisões meramente estranhas e com entendimento peculiar de cada um.

É senhores leitores, o chamamento a este post é justamente à atenção ao legislativo Luminense. É a única casa legiferante do Brasil que ainda não entrou em recesso devido ainda não ter aprovado o orçamento para 2018. Vale ressaltar caros leitores, que o legislativo Luminense somente tem duas sessão por semana, ( terça-feira e sexta-feira), ainda há ocasião em que a mesma deixa de ter sessão por falta de quórum.

Se o Poder Executivo não mandar projetos, os vereadores ficam a ver navios e esgravatando os dentes, pois não há nada para fazer. Vale destacar, na legislatura pretérita o ex-vereador Charuto costumava ler seu jornal em plenária quando havia estes momentos “não há nada para fazer”, como mudou esta nova legislatura, deveriam tomar pelo menos o Charuto como exemplo, ou não.

Vale aqui lembrar, que os edis têm por ano 75 dias de férias, chamado de recesso parlamentar: São 30 dias em julho e 45 dias de dezembro a 01 de fevereiro.
Vereadores, Deputados Estaduais e o Congresso Nacional só entram em recesso após aprovarem a lei orçamentária.

Outro ponto importante que é bom destacar caros leitores, é que, é o único legislativo que não tem uma antecedência mínima para fazer vista ou apreciar projetos e demandas, que são de interesse social, os Edis somente são cientes dos atos que irão demandar as tomadas de decisão que impacta diretamente ao povo é somente em plenária no ato que antecede a votação em mesma sessão, e mesmo em plenária não se ver discussão dos projetos que é um ato importante do legislativo, discutir. Isso demonstra que todos estes fatos caducam o entendimento em exaurir o real propósito de cada projeto e demanda, e deixa despido o interesse dos edis, demonstrando que os mesmos não tem a mínima preocupação de estudar as demandas que refletem diretamente no povo.

O que se ver é briga de ego ou jogo de interesse? E o povo como fica? Nesta crise nacional estes fatos no cenário luminenese não majoram? 

A indagação inicial é: Por que os vereadores ainda não aprovaram o orçamento para 2018? Devido que motivos não aprovam? Lembrar que sem orçamento, a população irá sofrer com falta de saúde, educação e infraestrutura, o que é pior a população corre o risco de entrar ano novo com os hospitais fechados, sem limpeza, sem educação e outros serviços que o povo precisa.

Outros pontos importante quero aqui lembrar caros leitores que além de não aprovarem o orçamento os vereadores também não apreciaram o projeto de lei de criação da Guarda Municipal que os Luminenses precisam; O parcelamento de dívidas do Imposto Sobre Serviço e IPTU; O projeto que acaba com o lixão de Iguíaba e tantos outros.

Além disso, os vereadores rejeitaram a doação de um terreno para o Serviço Social da Indústria (SESI), em construir ao lado da UBS do Paranã, uma escola completamente mobiliada e equipada.

Deixaram de votar projetos importantes para população, e sob orientação da vereadora Carmem Aroso aprovam requerimento de convocação do Secretário de Educação Fábio Rondon e da Secretária de Administração Núbia Feitosa.

Ainda de quebra enquanto a população fica sem a possibilidade de ter uma guarda municipal para ajudar na segurança e o orçamento para 2018, os vereadores por maioria aprovam as contas do ex-presidiário Gilberto Aroso.

Agora indaga-se: Todos estes atos tem algum objetivo? Quais os reais motivos o legislativo Luminense tem em não aprovar projetos importantes aos Luminenses? Estes atos é para pressionar o Prefeito Domingos Dutra? Agora uma pergunta que todos os luminenses fazem é: o que os vereadores querem que o prefeito Dutra se nega a dar?
E sobre os comentários que roda os quatros canto do município, que os ex – presidiário Gilberto Aroso, Bia Aroso, assessorados por Fred e Alderico Campos uniram-se ao ex-prefeito Josemar para cassar o mandado do Prefeito Dutra. Será verdade?


Fica o espaço aos citados e nobres vereadoras de Paço do Lumiar.