quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Sobre a Manifestação: O despreparo de Carmem Aroso e a simpatia de Barroso

Vereadora Carmem Aroso
Nesta quarta-feira (08), o secretário de educação de Paço do Lumiar, Paulo Barroso, resolveu se manifestar das agressões verbais feita pela vereadora Carmem Aroso (MDB), na ultima segunda-feira (06) quando a edil aparece em vídeo em uma manifestação dos merendeiros em frente à secretaria de Educação na Avenida 13 do Maiobão.



Em fala, Barroso argumentou que foi surpreendido com a manifestação por parte da classe dos merendeiros em que Carmem Aroso a reboque, usou para palanque político, descuidada ainda assinou abaixo-assinado de um pedido de abono de falta, não era o caso, agindo como manifestante esquecendo a representatividade legitima “Recebo todos os vereadores de forma cordial, e ela passou pro outro lado da avenida, se juntou com os manifestantes, está aqui provas que ela assinou abaixo-assinado deles, até inadvertido, porque o que eles estão pedindo é abono de falta, número 35 (trinta e cinco) Carmem Aroso, portanto não agiu como uma vereadora e sim como uma manifestante”, frisou Barroso.



Além disso, Barroso não se omitiu a receber a comissão, como afirmado em vídeo pela vereadora Carmem Aroso, somente obstou a entrada do líder comunitário Paulo Sampaio, a mesma exigia que fosse acompanhada do líder comunitário, e por não haver nenhuma legitimidade por parte do líder em que a vereadora exigia sua entrada, pelos simples fato de não ser uma manifestação da população, do povo, e sim uma categoria especifica e profissional no exercício de reivindicar um direito de categoria, é uma regra básica em que a vereadora deveria ter afinidade técnica, portanto, seria um descaminho receber o líder comunitário já que o mesmo não tem legitimidade de representação pela categoria, foi por este simples fato que a vereadora resolveu atacar verbalmente em vídeo o secretário de educação, pelo mero desprovimento que tem. 

Outro ponto bastante importante em que merece destaque, que mostra a zangueira da vereadora no vídeo, foi no mesmo ato da tentativa frustrada de entrar com o líder comunitário sem representatividade, foi em colocar outro representante ilegal, quando tentou a entrada do presidente do sindicato da SEDUP, senhor James, que nunca teve carta Sindical. Vale lembrar que o grupo não possui carta emitida pelo Ministério do Trabalho e Emprego, portanto sem legalidade, o que impossibilita juridicamente de representar grupo, o que é ilegal.

Por fim, explicou que não há atraso, pois ano passado a reposição salarial de 6.29% da Inflação do ano de 2016 foi paga no final de novembro de 2017, de forma integral a classe dos merendeiros, somente resta fazer o enquadramento da soma definitiva deste percentual ao salário e mais a reposição de 2.95 (Dois ponto noventa e cinco) referente a inflação de 2017. 

Ainda de acordo com Barroso, o município age de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, em que exige que o governo não gaste mais de 54% (Cinqüenta e quatro porcento) da receita. Lembrou que a receita do município deste ano cresceu, mas, cresceu de forma precária, pois foi uma decisão com efeito liminar concedida pela Justiça Federal que colocou o município em categoria de fundo especial, impedido de tomar uma decisão que é definitiva, diante de uma decisão que é provisória, até que seja julgado o mérito.

Lembrou que o prefeito Domingos Dutra, já mandou fazer um estudo de impacto para que todos servidores possa receber o mesmo aumento, não somente da educação, mais todos “O Prefeito Domingos Dutra com a sensibilidade como é seu caráter que é voltado para o social, mandou fazer o estudo de impacto, a nossa contadora geral, que já está concluindo este estudo, mas, não só para educação que já está concluído, mas, para a área da saúde, área do serviço social e demais área para que todos os servidores possa receber ou perceber o mesmo aumento” argüiu Barroso.